Portal para a Cooperação na Área Económica,Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa

sdsInscreva-se gratuitamente

  Está aqui:Início > Informação Económica e Comercial > Informação sobre Investimento > Angola
Companhia de Bioenergia de Angola prevê produzir 100 mil toneladas de açúcar em 2018
Data de publicação: 2017-12-14 00:00:00 [Grande  Pequeno]

【 Angola 】

A Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) prevê produzir em 2018 cerca de 100 mil toneladas de açúcar, 20 mil metros cúbicos de etanol e gerar 146 mil megawatts hora de energia eléctrica com o processamento de 900 mil toneladas de cana-de-acúcar, disse o director-geral adjunto Luís Bagorro Júnior, citado pela imprensa angolana.

Este ano, depois da colheita que decorreu de Junho a Dezembro, a empresa processou 567 mil toneladas de cana que deram origem a 58,1 mil toneladas de açúcar (contra 51,5 mil toneladas em 2016), 12 mil metros cúbicos de etanol e 62,6 mil megawatts de energia eléctrica.

Com receitas que excedem 200 milhões de dólares, a Biocom tem neste momento uma área de plantação de 22 mil hectares, área que poderá chegar a 42,5 mil hectares na campanha de 2022, ano que a empresa prevê estar a funcionar em pleno.

Instalada no município de Cacuso, a 75 quilómetros da cidade de Malanje, a Biocom é um dos maiores projectos agro-industriais angolanos, liderada pelo grupo brasileiro Odebrecht, que detém 40% do capital da sociedade, sendo os restantes 60% partilhados entre o grupo angolano de capitais privados Cochan, com 40% e a estatal Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) com 20%.

A Biocom é o único projecto do género em Angola e, além do açúcar, produz etanol e gera electricidade que coloca na rede pública, tendo na primeira campanha, de 2015/2016, produzido 24 770 toneladas de açúcar, 10 243 metros cúbicos de etanol e 42 mil megawatts hora de energia eléctrica. (Macauhub)


Comentários
Conteúdo do comentário:
Código de verificação:
O comentário é exclusivamente pessoal não representa a opinião deste portal.

Conteúdo da mensagem