Portal para a Cooperação na Área Económica,Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa

sdsInscreva-se gratuitamente

  Está aqui:Início > Informação Económica e Comercial > > Moçambique
Governo de Moçambique deve prestar informação em falta sobre caso dos empréstimos, FMI
Data de publicação: 2017-12-18 00:00:00 [Grande  Pequeno]

【 Moçambique 】

O Fundo Monetário Internacional reafirmou a necessidade de as autoridades de Moçambique prestarem as informações em falta mencionadas no relatório de auditoria efectuado pela empresa Kroll Associates UK aos empréstimos com o aval do Estado contraídos por três empresas públicas, informa o comunicado divulgado quinta-feira em Washington.

O comunicado, emitido no final de uma missão a Moçambique ao abrigo do Artigo IV da instituição, acrescenta que o FMI tomou nota da posição do governo de Moçambique de que é necessário esperar pelo resultado das investigações que a Procuradoria-Geral da República está a efectuar.

O FMI refere que “progressos nas negociações com os credores iniciadas pelas autoridades em Outubro de 2016” sobre a reestruturação dos créditos prestados, “seriam uma contribuição essencial para restaurar a sustentabilidade da dívida” de Moçambique.

A missão do FMI, conduzida por Michel Lazare, que esteve em Moçambique de 30 de Novembro a 13 de Dezembro, afirma no documento que o crescimento económico de Moçambique “continua a desacelerar” e que a evolução futura mantém-se difícil, tendo recomendado a adopção de um conjunto de políticas que assegure a estabilidade macro-económicas e permita um crescimento sustentado.

“Uma política monetária rígida permitiu que a taxa de inflação tenha baixado para cerca de 7% em Novembro e que a taxa de câmbio se tenha estabilizado ao longo dos últimos seis meses, tendo-se a posição sobre o exterior melhorado com o Banco de Moçambique a acumular reservas em divisas significativas”, pode ler-se no comunicado.

A missão do FMI adianta que, no entanto, o crescimento económico deverá cair para 3,0% do Produto Interno Bruto depois de em 2016 ter crescido a uma taxa de 3,8% e o défice orçamental deverá exceder 8,0% do PIB devido ao aumento da despesa com o pagamento de juros e com salários, bem como uma colecta fiscal que se prevê venha a ser menor do que o esperado. (Macauhub)


Comentários
Conteúdo do comentário:
Código de verificação:
O comentário é exclusivamente pessoal não representa a opinião deste portal.

Conteúdo da mensagem